20 PRIVILÉGIOS LEGAIS que as mulheres têm e os homens não

Por: Bruno M. Giordano

Os velhos, batidos e vigaristas discursos feministas sobre privilégio masculino, machismo, objetificação da mulher e direitos iguais, propagandeados não apenas em redes sociais mas em fóruns sobre direitos das mulheres, debates acadêmicos e grandes veículos não encontram eco nos códigos legais, majoritariamente aprovados na administração petista à partir de 2003. Mulheres têm tantas e exclusivas regalias legais que falar sobre igualdade jurídica significaria conceder os mesmos direitos a homens ou retirá-los das mulheres. É uma hipocrisia ou idiotice sem fim, propagar este discurso vitimista, sem base legal alguma.

1. LEI FEDERAL No. 13104/2015 (Lei do Feminicídio)
Aumenta a pena do homicida caso a vítima do homicídio tenha sido mulher

2. LEI Nº 8.213, DE 24 DE JULHO DE 1991 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências)
Determina tempo de contribuição e idade mínima da mulher para obter aposentadoria inferior ao do homem.

3. LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006 (Lei Maria da Penha)
Amplia a caracterização de atos como violência e dá maiores penas quando a vítima for mulher.

4. LEI FEDERAL No. 150/2015 (Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico)
Prevê rescisão por culpa do empregador APENAS quando a violência feita pelo empregador ser contra uma mulher.

5. LEI FEDERAL No. 5948/2006 (Aprova a Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas)
Aumenta a punição caso a pessoa traficada seja mulher e prevê maior assistência a mulher.

6. LEI FEDERAL No. 0/2015 (Dispõe sobre a realização de cirurgia plástica feita no SUS em reparo aos danos causados por violência)
Dá direito de cirurgia plástica reparadora de sequelas de lesões causadas por atos de violência APENAS a mulher.

7. LEI No 10.778, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2003 (Estabelece a notificação compulsória do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados) Prevê notificação compulsória de violência APENAS quando a vítima for mulher.

8. LEI Nº 11.977, DE 7 DE JULHO DE 2009 (PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA)
Dá prioridade de atendimento às famílias com mulheres responsáveis pela unidade familiar. E dá preferencia de efetivação de contratos e registros em nome da mulher.

9. LEI Nº 11.804, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 (Disciplina o direito a alimentos gravídicos e a forma como ele será exercido e dá outras providências)
Determina que despesas referentes a alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto, medicamentos e demais prescrições preventivas e terapêuticas indispensáveis deverão ser custeadas pelo futuro pai.

10. LEI Nº 11.489, DE 20 DE JUNHO DE 2007 (Institui data comemorativa)
Institui o dia 6 de dezembro como o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

11. LEI FEDERAL No. 10836/2004 (Programa Bolsa Família)
Determina que o pagamento do beneficio seja feito preferencialmente a mulher.

12. LEI FEDERAL No. 10745/2003 (Institui o ano de 2004 como o “Ano da Mulher”)
Determina ao Poder Público a divulgação e comemoração do “Ano da Mulher”.

13. LEI FEDERAL 12.272  (empoderamento da mulher no esporte)
Art. 1o É instituído o ano de 2016 como o Ano do Empoderamento da Mulher na Política e no Esporte.

14. LEI No 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 (Lei do Serviço Militar)
Prevê obrigatoriedade de prestação de serviço militar do homem e isenta a mulher do serviço militar em período de paz.

15. CONSTITUIÇÃO FEDERAL de 1988 e Lei do Serviço Militar (LEI No 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964): Mulheres têm direito a votar e ser votadas sem necessidade de alistamento militar. Para obter o título de eleitor, os homens entre 18 e 45 anos devem comprovar quitação com o alistamento militar. Durante o serviço militar obrigatório, os homens não têm direito de ser votados – e nem de votar.

Leis trabalhistas (CLT)

16. Toda mulher tem direito a intervalo de 15 minutos antes de começar o trabalho em jornada extraordinária, de acordo com o artigo 384 da CLT,

17. Aposentadoria: A idade mínima para mulheres é de 60 anos, enquanto os homens devem esperar até os 65.

18. Licença-maternidade de 120 dias (a partir do 8º mês de gestação), sem prejuízo do emprego e do salário, que será integral.

19. Ser dispensada no horário de trabalho para a realização de pelo menos seis consultas médicas e demais exames complementares.

20. Mudar de função ou setor de acordo com o estado de saúde e ter assegurada a retomada da antiga posição.

 

Aborto

A pauta do aborto é polêmica. Muito embora, a lei puna (em teoria) a mulher que praticar o aborto e seu facilitador; na pratica, não se tem notícia de uma única mulher presa devido ao exercício do ato. A exceção são os aborteiros, os médicos que praticam tal ilícito. O contraponto é que aos homens, não é permutado o direito de eximir-se da paternidade.

O Código Penal Brasileiro pune o aborto provocado na forma do auto-aborto ou com consentimento da gestante em seu artigo 124; o aborto praticado por terceiro sem o consentimento da gestante, no artigo 125; o aborto praticado com o consentimento da gestante no artigo 126; sendo que o artigo 127 descreve a forma qualificada do mencionado delito. No Brasil, admite-se duas espécies de aborto legal: o terapêutico ou necessário e o sentimental ou humanitário (JESUS, 1999).

 

Fontes (não normatizadas):

Site da Presidência da República Federativa do Brasil:
http://www.planalto.gov.br

A legislação sobre o aborto e seu impacto na saúde da mulher: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/131831/legisla%C3%A7%C3%A3o_aborto_impacto.pdf?sequence=6

Conheça 11 direitos trabalhistas só para mulheres: http://www.consumidormoderno.com.br/2015/04/15/conheca-11-direitos-trabalhistas-so-para-mulheres/


Postado originalmente em Sognrelucido.
Foto: Stoya na Exxxotica New Jersey 2010 (3), 
por JC, EUA.

70 thoughts on “20 PRIVILÉGIOS LEGAIS que as mulheres têm e os homens não”

    1. Tecnicamente, pode-se alegar que é uma condição única que atinge unicamente a mulher. Há algumas dessas “desigualdades” que podem ser tidas como aceitáveis, como por exemplo uma pessoa que sofre de câncer pode sacar os seus rendimentos trabalhistas mais facilmente que uma pessoa saudável.

  1. 14. LEI No 4.375, DE 17 DE AGOSTO DE 1964 (Lei do Serviço Militar)

    Prevê obrigatoriedade de prestação de serviço militar do homem e isenta a mulher do serviço militar em período de paz. Quem diz que vivemos em paz? Morre mais gente no Brasil por vilência que em qualquer guerra pelo mundo.

  2. “alimentos gravídicos”

    Faltou explicar que nesse tipo de ação basta a mulher “indicar” o suposto pai, e se o juiz acreditar que exista a mera possibilidade de ser verdade, o homem é obrigado a pagar a pensão mais os custos citados. Somente depois que a criança nasce é que o juiz autoriza o exame de DNA, caso dê negativo, o homem NÃO PODE pedir devolução dos valores pagos.

    1. Isso se resolveria se todo homem fosse HOMEM realmente e assumisse a paternidade de toda mulher que ele engravidasse, pois se não quer ser pai usa camisinha! Assim não existiria nenhuma criança sem pai no mundo. É fácil fazer e sair fora. E deixar a mulher com toda a responsabilidade de se cuidar (tomando pílulas que são extremamente prejudiciais a saúde) ou tendo que criar para a vida toda um filho sozinha!!!

      1. Tomem vergonha na cara antes de sair acusando só os homens. Vocês engravidam de cafa de balada e depois vem acusar todos os homens. A escolha SEMPRE vai ser de vocês, se abriram as pernas pra cafa, mal caráter, assumam os erros. Enquanto são novas, vocês esnobam, debocham de qualquer homem que não seja o pegador, o “macho alfa” do grupo, mas esses, só querem levar vocês pra cama.

      2. Você não é mulher? Então, não cabe a você definir quando homem é HOMEM. Mulheres têm mais meios contraceptivos, não é? Então, deviam ter mais responsabilidade, já que tem mais recursos. E parem de reclamar de pílula que isso já ficou ridículo.

      3. Mas a questão do que ele falou não é o caráter do homem, e sim a extrema valorização da palavra feminina sem comprovação científica.

      4. Samir Andrade

        Mas como é que o cara vai assumir a paternidade se o filho pode ser de qualquer homem num raio de 50 quilômetros? Nesses casos é tão difícil determinar quem é o pai que o governo prefere conseguir o bocó mais proximo e jogar os deveres no colo dele em vez de procurar o responsável,nunca em nossa sociedade existiria uma lei que responsabilizasse uma mulher pelos filhos de outra,mas o contrário existe.

  3. Tem uma nova, acho que municipal. Sobre a passageira mulher pedir parada ao motorista do coletivo em qualquer lugar, depois das 20h.

        1. Nossa, eu agradeci a Deus quando essa lei saiu. Haque ponto chegamos? Com tanta insegurança e altos índices de estupro. Há que nível chegamos? A ponto de um ser humano, seja homem ou mulher discorde dessa lei que é uma amparo a muitas e a mim também. É muito pesado ver uma conquista sendo criticada dessa forma negativa.

          1. Essa lei seria totalmente desnecessária, se fizessem valer todas as outras que ja existem. Infelizmente a impunidade reina, e mudar o local de descida nao muda nda, visto que muitas vezes o bandido da dentro do coletivo.
            O minha indignação não eh a lei em si, mas o fato de sua criação ser cogitada, pois a violência ta fora de controle.

          2. Sim, porque na mente suja de vocês, a mulher “vive oprimida”. Até por ter que caminhar sob o mesmo sol quente, na mesma lotação. E homem faz festival de estupro, não é?

            Vou continuar excluindo feministas daqui, porque o fanatismo e o delírio são grandes demais e vocês são imunes às referências, evidências e mesmo argumentos que costumam cobrar.

  4. Cara, com relação a gravidez e datas, são argumentações estúpidas. Mas a diferença de direitos é tão grande que nem dá pra elas discutirem. Eu falo essas coisas pros caras na faculdade, e nego fica falando que eu não vou comer ninguém, porra, olha como elas têm vantagem e nego fica falando merda, que a sociedade favorece o homem. Se você quiser atualizar essa lista, é só colocar que existem delegacias e hospitais da mulher, e não existem os equivalentes para homens.

    1. Eu quero é que se foda quem eu vou comer. Quanto menos eu ligar pra isso, mais mulher chove. E outra, não quero viver num mundo onde eu tenho que me foder por ser homem…

      To partindo desse país o mais rápido possível

    2. As datas são uma espécie de símbolo, mostram o quanto aquilo tem importância, e podem ser mote para campanhas – por exemplo, para lembrar “dos avanços para as mulheres trazidos pelo nosso guvêrnu”. E podem até mesmo dividir as leis em um país – por exemplo, nem todos os municípios folgam no dia da consciência negra.

      Mas por outro lado isso não ajuda em causas judiciais.

  5. LEI Nº 11.804, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 (Disciplina o direito a alimentos gravídicos e a forma como ele será exercido e dá outras providências)
    Determina que despesas referentes a alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto, medicamentos e demais prescrições preventivas e terapêuticas indispensáveis deverão ser custeadas pelo futuro pai. – Esqueceu de falar que é porque a maioria dos homens FUCKING SOME e a mulher tem q cuidar do filho sozinha. Mas legal, poderia dividir os custos em 50% pra cada um.

    LEI Nº 11.489, DE 20 DE JUNHO DE 2007 (Institui data comemorativa)
    Institui o dia 6 de dezembro como o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres. – Se acha isso privilégio, lutem pelo dia do homem. Mas dia de conscientização não é privilégio legal, pois não provê vantagem legal alguma em processo judicial.

    LEI FEDERAL No. 10745/2003 (Institui o ano de 2004 como o “Ano da Mulher”)
    Determina ao Poder Público a divulgação e comemoração do “Ano da Mulher”. – idem ao anterior

    Licença-maternidade de 120 dias (a partir do 8º mês de gestação), sem prejuízo do emprego e do salário, que será integral – porque a mulher CARREGA A CRIANÇA NA BARRIGA E FAZ A CRIANÇA SAIR DA VAGINA DELA???? ou faz uma operação pra tirar caso for cesariana. O homem não tem nada disso. Mas tb podia ter uma licença pro pai ajudar a cuidar do bebê.

    1. 1. A maioria dos SEUS HOMENS fucking somem.
      2. Sempre que qualquer um quer fazer qualquer coisa para homens, vocês fazem o possível pra barrar, porque vocês, fanáticas, realmente acreditam que homens são opressores privilegiados. OS HOMENS SÃO MAIS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA. ATÉ CRIANÇAS E ADOLESCENTES SÃO MAIS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA QUE MULHERES. Portanto, VÁ CRESCER.
      4. iDEM.
      5. Não sou contra licença maternidade, discordo desse item estar inserido no texto. Sobre gestar na barriga, parir pela vagina e fazer cesária, vocês feministas já deviam ter cansado de reclamar disso. É assim que nascem os bebês, caso contrário, a Ciência patriarcal machisa já deu às mulheres praticamente controle completo sobre a reprodução. Mas, esperamos que os úteros artificiais logo estejam disponíveis, porque aí todos e todas vão ter outras alternativas. De qualquer forma, aqui feministas não são bem-vindas.

      1. Realmente alguns poderiam ser tanto para homens quanto mulheres, porém a maioria não são privilégios, estudando os processos históricos sobre a violência específica contra a mulher podemos perceber que não são de modo algum vantagens, e sim medidas necessárias para tentar inverter um quadro específico.

  6. Marciane de Souza

    Nossa, realmente são muitos direitos! Pra que né?! É humanidade, bom ler uns livrinhos de história para compreender pq foi necessário elaborar tais leis.

    1. o animal, ninguém ta falando que estas leis não foram necessárias apenas estão falando de LEIS que favorecem a mulher e não o homem, e mesmo assim vcs feminazis ficam de MIMIMI “ah que os homens tem mais direito” na boa? se matem pfv

      1. Marciane de Souza

        Em primeiro lugar Jéssica, você foi extremamente grosseira e deveria rever seus conceitos de como viver em sociedade. Em segundo lugar leis são feitas para atender demandas da sociedade, elas não “favorecem” algo ou alguém, elas atendem necessidades construídas ao longo do tempo, necessidades que antes não eram vistas ou não se deixavam ver. Em terceiro lugar melhore seus argumentos, usar palavras como “mimimi” e “feminazis” demonstra que seu conhecimento sobre o tema é praticamente nulo e somente repete o que lê e vê nas redes sociais e mídias.

        1. Meu conhecimento é baseado no senso comum – apesar de um resquício de conhecimento histórico – a questão é que as mulheres tem adquiridos direitos demais, sim eu sei da violência e tudo aquilo, porém, me corrija se estiver errado, essas leis deveriam ser igualitárias, tanto homens e mulheres, evitando o sexismo tão odiado por vocês, feministas. Queria também comentar a respeito dos fatores históricos, por exemplo, o que leva as mulheres se aposentarem antes dos homens, essa informação tem embasamento científico, se elas vivem mais, muito mais, que os homens, principalmente por conta de sua biologia. Outros direitos adquiridos também me enojam, as mulheres, não quero ser prepotentes, estão levando muito séria a frase de Balzac, parafraseando-o: “as mulheres são uma mistura de anjo e homens” e tem fugindo, ou pegando atalhos, de obrigações que todos, TODOS, devem ter numa sociedade, assim como uma criança t o dever de estudar, os homens de ajudar com atividades de força física, afinal, é cientificamente comprovada a força superior do homem, e as mulheres dos a fazeres domésticos. Não querendo me prolongar mais, queria que você comentasse a respeito disso, me desculpe se em algum momento meu conhecimento foi pequeno, mas esses direitos não deveriam ser equivalente a todos? Por que assassinato de mulher da mais tempo de cadeia? Se os homens são os que mais morrem, sim, eu sei, na maioria das vezes por outros homens, ainda sim, a lei não deveria ser implacável, em ambos os casos, para subjulgar a criminalidade em sua pior instância? Além de outros argumentos mais clichês, como o alistamento obrigatório só para homens, podemos ter uma sociedade mais sexista que essa? Antes que diga das necessidade dessas leis, menos algumas óbvias como o auxílio gravidez por exemplo, poderia por favor justificar, mesmo que seja apenas com uma fonte fidedigna, para comprovação de sua necessidade exclusivamente para mulheres? Agradeço se ler o comentário, e se respondê-lo mais ainda, não quero parecer prepotente, porém infelizmente meu conhecimento sobre feminismo é muito pequeno, a maioria das pessoas de meu circulo o odeiam.

        2. Ai como cansa, tu acabou de explicar e a pessoa vem (demonstrando claramente que ou nem leu ou não sabe interpretar texto) e questiona o óbvio… Aí a gente entende porque muitas feministas se tornam tão intolerantes!

    2. Vocês são mesmo umas inúteis repetitivas. Vocês acharam que ia demorar muito pra as pessoas perceberem que “vai estudar história” significa “vai estudar a historiografia que as nossas professoras feminazistas escreveram”?

      1. Marciane de Souza

        Aldir, sugiro que busque mais sobre a produção historiográfica no geral e a específica escrita por mulheres, a maioria da escrita da história foi e esta sendo feita por homens, as mulheres que escreveram e escrevem tratam dos mais variados temas e não só da questão de gênero e feminismo.

      2. “Professoras feminazistas” eita. Por favor diga, a que referências históricas recorre quanto a violência contra mulherer? O recorte temporal e o espaço…

        1. São mesmo repetitivas e incapazes de raciocinar além do que a professora feminazista ensinar. A única explicação que eu consigo imaginar, com gente que tanto se orgulha tanto de “refletir fora da caixa” com esses termos repetitivos pseudocientíficos de academia como “recorte”, é que essa ignorância e incapacidade de refletir lhes convém, íntima e profundamente. Você acha que eu não debato e debati com essas professoras feminazistas? Vou resumir o resultado do debate de um dos temas mais amados para feministas, que é “violência de gênero”, usando caixa alta para destacar:

          – Fora da mente psicótica de vocês e das suas múmias professoras feminazistas, NÃO HÁ REGISTRO DE VIOLÊNCIA SER MAIS COMETIDA CONTRA MULHERES DO QUE CONTRA HOMENS.

          – Apenas quando VOCÊS começaram a fazer “pesquisas” de violência doméstica, depois sexual, começaram também a fazer “recortes” onde a violência contra a mulher PARECESSE maior contra mulher e onde a mulher PARECESSE apenas vítima.

          Depois, centenas de estudos, inclusive levantamento o CDC dos EUA, mostrou a mulher como agressora recíproca e mais surpreendente, se destacando como PRIMEIRA agressora (me refiro a INICIATIVA DE AGRESSÃO VERBAL E TAMBÉM FÍSICA), agressora unilateral e agressora mais constante.

          Dentro do âmbito RELATIVAMENTE PEQUENO de violência entre parceiros íntimos, a mulher se destaca como vítima no ítem gravidade de ferimentos. Mas, mesmo aí, a maioria (a MAIORIA, NÃO TODAS) dessas mulheres sofreu essas agressões mais graves quando os homens REVIDAVAM a agressão iniciada por elas.

          E há várias décadas se sabe que violência doméstica tem ainda mais incidência entre LÉSBICAS, não entre casais hétero.

          Vocês ignoraram isso e continuarão ignorando enquanto for possível. E por consequência, a mídia também, os políticos e quem mais puder tiver a conveniência ou vocês monopolizando fontes de informação.

    3. A imbeciloide cria conta só para escrever duas linhas de inutilidade e mandar o clássico “vá estudar (até concordar com minha ideologia sacrossanta)”.

      Depois que falam mal de mulher, choram…

      1. Marciane de Souza

        Jovem sem nome, não desejo que concorde, desejo que analise, reflita, leia, releia além das coisas costumeiras e novamente reflita, assim haverá uma possibilidade de entendimento quanto ao porque de se elaborar leis especificamente para as mulheres.

        1. Analisei, refleti, li e reli muito muito além das coisas costumeiras. E mais uma vez refleti.

          E a razão para se elaborar leis unicamente para mulheres é uma e uma só: a ideia de que mulheres são seres inúteis que jamais podem ser “equânimes” unicamente por serem mulheres.

          Mas claro, para você o “vá estudar” significa, novamente, “concorde com minha sacrossanta ideologia ou seja chamado de parvo”.

        2. “Além das coisas costumeiras”. As coisas costumeiras falam justamente a favor da vitimização da mulher, enchendo nossa bola.

    4. Se incomodou bastante com a premissa do texto(deve ser pq não faz apologia à sua ideologia)e NEM pra comentar algo que acrescente alguma coisa fez. É por mais gente como essa que precisamos de feminismo.

    5. Faz assim, ganha o respeito de toddo mundo dando exemplo de 2 pontos apenas. Melhor do que mandar os outros lerem, se quer que deem atenção, diga algo que some

      1. Marciane de Souza

        Elton, não seria necessário eu exemplificar, pois todos os fatos estão registrados na história. Minha recomendação é fazer pequenas buscas no google com tema “direitos das mulheres” “mulheres na revolução francesa” “mulheres nas guerras” “voto feminino” “violência contra mulher”, todos estes tópicos irão trazer uma imensa gama de documentos sobre. Melhor pesquisar no google acadêmico, lá terá artigos, ensaios, dissertações e teses sobre o tema.

        1. É necessário sim. Se você não é capaz de substanciar suas falas, então cale a boca. Se é capaz, então cola a porra do link em vez de ficar brincando de “jogar no Google”. Mesmo porque tem muita coisa obscura sobre os tais “direitos das mulheres”, “revolução francesa”, “violência contra a mulher”, “voto feminino”.

          Por exemplo, será que algum dos seus artigos do Google Scholar mostra que na Velha Inglaterra aplicava-se a pena de chibatadas para homens que batiam nas esposas? Ou mostra o terrorismo suffragette? Ou mostra como a antiga Inglaterra provinciana “ultramachista e ultramisógina” acabou com o Sati indiano?

          P.S.: Seis meses se passaram e ainda continua falando a mesma merda?

          1. Marciane de Souza

            Olá “Pobretano”, infelizmente seu discurso agressivo inviabiliza qualquer diálogo, já que este se faz em mão dupla: escuta-se e fala-se em um movimento circular de respeito ao outro, coisa que aparentemente não seria capaz de realizar. Não diga para as pessoas calarem suas bocas, isso é extremamente ofensivo e demonstra falta de controle emocional. Você grosseiramente me indica para colar um link referente aos tópicos citados para comprovar que eu sei, na verdade não preciso provar a você ou qualquer outro o quanto sei sobre este ou outro assunto e se faço essa indicação é , por experiência de vida e profissional, que o outro não sabe e esta falando somente com embasamento em costumes ou práticas sociais arreigadas em nossa cultura. Quando alguém disser: leia mais sobre isso é com certeza que ela sabe algo que você não sabe e quer que você descubra por si só, se tiver interesse, que tenha autonomia e seja proativo quanto a construção do seu saber, mesmo que ao final da descoberta chegue a conclusão que não serviu para nada, ao menos trilhou o caminho de buscar saber e fez uma escolha entre compreender os demais fatos ou se manter com a compreensão construída ao longo de sua vida, através de seus costumes e crenças.
            Não compreendo o que são “coisas obscuras” sobre os assuntos citados, existe sim muito a se indagar de tudo sobre a história, ela não é fixa e estática, a história e os fatos são desconstruídos e reconstruídos a cada mudança que a sociedade impõe sobre ela mesma.
            Ainda não tenho artigos no google, infelizmente, mas sobre o que argumentou dos outros pontos como pena de chibatadas a homens que batiam e suas esposas eu ainda não tinha conhecimento, agradeço pela indicação e irei pesquisar sobre.
            Sobre os ataques terroristas realizados pelas sufragistas inglesas, sim, um grupo mais radical agia com uso da violência, o filme As Sufragistas relata este momento da história com muita habilidade.
            Sobre o Sati realizado na religião Indu são práticas milenares as quais as mulheres deveriam por “honra e respeito” morrer junto com marido. A intervenção da Inglaterra nesta prática, proibindo-a, pode parecer ter o sentido humanitário, mas lembro da questão mais próxima a nós brasileiros quando a Inglaterra proibiu o tráfico negreiro em 1850, não era por motivos humanitários e sim econômicos, porém no caso da Índia seria necessário um aprofundamento do tema para termos uma análise melhor das circunstâncias da proibição do ato em sim, o envolvimento dos homens ingleses, indianos e das mulheres no processo, de quem foi a inciativa inicial, apoiadores, etc.
            PS.: Argumentar dizendo que “falo merda” não seria um argumento válido, espero que melhore-os, assim podemos dialogar mais.

          2. Yuri da Subversão

            Verdade cara, é difícil acreditar que esse “artigos acadêmicos” produziriam algo de isento com relação a isso. A maioria vai escolher o que colocar para reforçar narrativa.

          3. Marciane de Souza

            Jovem, não é necessário eu colocar nenhum link, pois acredito na sua capacidade de busca do conhecimento que esta disponível à todos, porém é necessário ter vontade de, coisa que não acontece com todos. Seus exemplos são válidos, tudo realmente que pontou ali foram partes da história, realço a palavra “parte”, significa um pedaço, um fragmento, um olhar. Para descobrir as coisas temos que olhar mais partes, mais ângulos e nos desprender dos pré conceitos. Seja livre para o aprendizado.

          4. acredito na sua capacidade de busca do conhecimento

            Eu não acredito. E, mesmo porque, é uma questão de ceticismo: quem faz uma alegação tem o dever de sustentá-la. Eu não tenho que procurar nesse mar de conhecimento, você é que tem que sustentar suas afirmações.

            Ué, estou contando parte da história que são convenientemente ignoradas. Falar que mulheres são discriminadas por serem mulheres ao mesmo tempo que se ignora ou se faz troça da discriminação contra os homens por serem homens é mera desonestidade.

            E não vai ser o seu sofisma recheado de “vá estudar” que mudará isso.

    6. Realmente alguns poderiam ser tanto para homens quanto mulheres, porém a maioria não são privilégios, estudando os processos históricos sobre a violência específica contra a mulher podemos perceber que não são de modo algum vantagens, e sim medidas necessárias para tentar inverter um quadro específico.

      1. Geolord Galanodel

        Discordo totalmente. A constituição brasileira já determina direitos ao “cidadão brasileiro”, na verdade isso se chama manobra para controlar massas e adquirir votos, em vez de colocar as leis já existes para funcionar através de um esforço para a cobrança das mesmas. O único grupo dentro da sociedade que realmente precisava de leis específicas são crianças e adolescentes.

    7. Francisco Carlos da Silva

      Pois é…Historicamente os homens, todos os homens, sempre foram privilegiados em relação às sofridas mulheres, todas as mulheres…rs
      Pois é, realmente precisamos ler uns livrinhos de ESTÓRIAS…rs

      1. Marciane de Souza

        Sim, Francisco, você quase tem razão, porém faço um apontamento, não são todos os homens que são privilegiados, pois temos as diferenças étnicas e sociais que infligem diferenças entre os homens (sexo Masculino). A maioria das mulheres nas varias culturas sofreram e sofrem discriminação simplesmente por ser mulher, sem muitos direitos. Porém ainda há esperança, muitas outras culturas a uma estrutura social onde não há diferença entre os gêneros e outras onde a organização é matriarcal, nem tudo esta perdido. Ah, isso tudo eu aprendi lendo, por isso fiz a recomendação da leitura. Lembro que a HISTÓRIA da humanidade é escrita H.

        1. A maioria das mulheres nas varias culturas sofreram e sofrem discriminação simplesmente por ser mulher

          Sim, deve ser muito sofrido poder votar sem ter que se alistar.

          1. Marciane de Souza

            Jovem, vamos separar as coisas, votar é um direito e no Brasil também uma obrigação. As mulheres também tiveram que se manifestar para ter direito ao voto, coisa que só foi possível já no final do século XIX e no Brasil, somente após 1937, então não use argumentos torpes. Quanto ao alistamento obrigatório somente para homens também foi uma decisão tomada pelas forças militares e com embasamento na Constituição Federal (lembra da questão da luta pelo direito ao voto feminino). Para você saber, as mulheres também estão se mobilizando para ter direito a entrar na Academia Militar, atualize-se. Abraços.

    8. Luciana Souza

      “Ain, mas esses “privilégios”, se não todos, na verdade são medidas de minimização de danos devido a uma cultura machista e misógina, né?!”
      – Na questão de leis sobre agressão, elas deveriam ser para os dois lados, se as mulheres são as maiores vítimas elas certamente acionarão mais vezes o dispositivo legal. Simples assim. Isso seria bem mais igualitário.

    9. Luciana Souza

      “Ain, mas esses “privilégios”, na verdade são medidas de minimização de danos devido a uma cultura machista e misógina, né?!”

      Na questão de leis sobre agressão, elas deveriam ser para os dois lados, se as mulheres são as maiores vítimas elas certamente acionarão mais vezes o dispositivo legal. Simples assim. Isso seria bem mais igualitário.

  7. Historiador esclarecido

    Vejo sempre o velho argumento de :vai estudar história, porém até hoje todos que usam ele não conhecem nada de história ou bem pouco. Conhecem uma história baseada em fatos da esquerda inventados por vitimistas e crianças chorosas para criar uma sociedade do famoso “mimi”. Realmente sabemos que durante o processo histórico as mulheres sofreram muito e não tinham direito a nada, claro que nada entre aspas, pois se olharmos muito mais a fundo podemos perceber que a mulher nunca calaborou para inverter o quadro. Com o passar do século e graça a algumas , sim é isso mesmo ,estou dizendo algumas! Pois graças a poucas mulheres que hoje a algumas gus mulheres têm seus direitos ; trabalhistas ,previdênciarios, sociais. Mulheres que morreram queimadas vivas em fábricas, foram presas e torturadas,perseguidas …. Observe a diferença da mulher feminista , a verdadeira feminista , para uma feminazi da atualidade. As feminazis mostram os peitos,não depilam axila, vestem se como homens , etc… E para quê? Hoje as mulheres já tem todos os seus direitos e privilégios axilas segurados! Inclusive as mulheres no Brasil tem mais nível de instrução escolar que os homens, 70% das mulheres compõem as universidades brasileiras. Não sei porquê tanto mimi! Vejo mulheres fazem protesto mostrando os peitos!? Ué… porém , não tem coragem de fazer protesto igual as mulheres da década de 30,40,50… Morrer em uma fábrica ? Nunca , né .
    Vejo e conheço muitas feministas da atualidade que são sustentadas pelos pais , namorados e esposos. Belo feminismo de chanel.
    Não é a toa que o cenário político quer modificar as leis das mulheres. Dizem que querem direitos iguais , então, iram ter direitos iguais ; aposentar igual homem,redução da licença gestão e por aí vai. Reclamam de barriga cheia. Até em muitas baladas e eventos mulher paga menos.
    É óbvio … a maioria não faz nada e precisa ocupar a cabeça e vira feminista de Chanel. Faça um curso,estude,TRABALHE e pare de mimi atrás do imac que o pai comprou.
    Mulher feminista são as que lutaram por seus direitos, para trabalhar, para se dar utilidade,para ter sua igualdade igualdade e independência , e não mulher que não faz o bigode bigode e escreve textao na Internet paga pelo pai.
    A história sempre mostrou que o ser humano é um medíocre e graça a alguns é que ficou um pouco melhor.

  8. Taís Bastos Gogorza

    Vocês percebem que a grande maioria desses “privilégios”, se não todos, na verdade são medidas de minimização de danos devido a uma cultura machista e misógina, né?!

    1. na questão de leis sobre agressão, elas deveriam ser para os dois lados, se as mulheres são as maiores vítimas elas certamente acionaram mais vezes o dispositivo legal, outras medidas como as delegacias especiais para mulheres serviriam para atender a maior demanda desse auxilio por mulheres e ainda assim ñ teríamos uma lei sexista, isso seria bem mais igualitário

    2. Yuri da Subversão

      A cultura é supostamente misógina, só não explicam como essa mesma cultura deixa passar isso tudo. Sendo o congresso de maioria de machos opressores, é de se perguntar por que eles não barram isso e, ao invés, dão privilégios aos homens?
      Pode apontar uma lei que só serve para homem?
      Essa cultura “misógina” faz de tudo para se autodestruir, uma contradição gritante.

  9. com todas essas leis e ainda reclamam? elas não querem igualdade ou equidade querem vantagens por ser mulheres…não entendo apesar de ser mulher…

  10. a lei já permite aborto em caso de estupro e de anencefalia quer mais o que? que permita o aborto quando estiver de 8 meses e decidiu que não quer mais…feministas, menos

  11. Andries Viljoen

    Creio que é justo, Direitos e Deveres IGUAIS, pois o homem e a mulher tem que dividir também a conta do motel, do cinema, da gasolina e do restaurante juntos.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *