Estereótipos negativos minam o desempenho dos meninos

Estereótipos negativos sobre os meninos prejudicam suas conquistas educacionais e a confiança de que eles têm a mesma capacidade que as meninas pode melhorar o desempenho deles. É o que indica um estudo publicado em 2013.

Desde muito jovens, as crianças passam a pensar que os meninos são academicamente inferiores às meninas. Mesmo no início, o desempenho dos meninos nas tarefas escolares é afetado por mensagens que lhes sugerem que as garotas vão se desempenhar melhor que eles.

As conclusões foram publicadas no jornal Child Development e provém de pesquisa conduzida na Universidade de Kent, em Kent, Inglaterra. O objetivo da pesquisa era determinar a causa do menor desempenho educacional dos meninos.

“Meninos são burros, jogue pedras neles” –
Estampas de camisetas para meninas que fizeram um enorme sucesso nos EUA. O politicamente correto proporciona “privilégios masculinos” ainda maiores que os de antes.

“O desenvolvimento das pessoas sofre quando elas pensam que os outros podem vê-las por uma lente de expectativas negativas raciais, de classe e outros estereótipos sociais – assim como os de gênero – e assim esperam que eles tenham um desempenho ruim”, disse a estudante de doutorado Bonny L. Hartley na Universidade de Kent, que conduziu a pesquisa. “Este efeito, conhecido como ameaça do estereótipo, dá aos estereótipos o poder de se autorrealizar.”

Em três pesquisas feitas na Inglaterra, Hartley e uma colega investigaram o papel dos estereótipos de gênero. E descobriram que desde muito pequenas as crianças pensam que os meninos são educacionalmente inferiores e acreditam que os adultos pensam o mesmo.

Então, dois experimentos foram feitos para determinar se a ameaça do estereótipo prejudicava o desempenho acadêmico dos meninos. Um, envolvendo 162 crianças, saberem que os que os meninos não eram tão bons quanto as meninas na escola causou um declínio no desempenho deles em testes de leitura, escrita e matemática, comparados com um outro grupo que não tinha esta informação. Em outro experimento, envolvendo 184 crianças entre 6 e 9 anos dizer às crianças que meninos e meninas tinham o mesmo desempenho fez os meninos melhorarem nos testes, comparados a um grupo de controle. O desempenho das meninas não mudou.

“Em muitos países, os meninos são piores que as meninas na escola”, diz Hartley. “Estes estudos indicam que estereótipos acadêmicos negativos sobre os meninos, adquiridos nos primeiros anos da educação primária, têm consequências auto-realizadoras.” Eles também sugerem que é possível melhorar o desempenho dos meninos e combater a diferença de gênero na educação apenas com mensagens mais igualitárias e não utilizando práticas como dividir as classes por gênero.”

Forte abraço,

Aldir.”

 

Referência:

Bonny L. Hartley, Robbie M. Sutton. A Stereotype Threat Account of Boys’ Academic UnderachievementChild Development, 2013; DOI: 10.1111/cdev.12079

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *