O quanto você quer ver enfrentamento? Ajude-nos a continuar

O A Voice for Men nos EUA nos ensinou muita coisa.

Ensinou que não adianta enfrentar a misandria institucionalizada e o feminismo que corrompe as leis, o Judiciário, políticos, cultura e autoridades do Estado com “amor e delicadeza”, sendo “amiguinho.” Se você não incomoda, você não faz diferença.

Ajudou a expor o quanto ativistas que não só odeiam homens, como odeiam nossos filhos, os meninos ou qualquer coisa masculina, existem perfeitamente inseridos na máquina estatal.

Ajudou a mostrar que a corrupção de misandria e ginocentrismo é maior, mais bem instalada, perversa e de difícil reversão do que parece.

Ensinou que é possível fazer uma diferença, especialmente com apoiadores financeiros. Tornar o ativismo online autossustentável e viável.

A verdade é que outros países estão bem aquém do que acontece nos EUA. Lá, a misandria feminista está bem mais avançada há muito tempo. Mas também, a ilusão de “é movimento por igualdade” é mais difícil de manter para o público. E, infelizmente, só com um número muito grande de vítimas é que existe alguma reação minimamente relevante.

Há anos eu edito o AVFM a partir do Brasil gratuitamente, investindo meu tempo de trabalho. Cheguei a chamar a atenção da equipe dos EUA pelo fato de a nossa repercussão fazer diferença na quantidade de acessos. Tanta diferença, que já houve momento em que os servidores não suportaram, porque ninguém esperava que tivéssemos tanto acesso. A ponto de conseguir causar algum impacto financeiro positivo para o AVFM, quando a maioria do tempo nós somos um gasto para eles.

Já fui convidado para palestras em Universidades, mas por sermos ainda pouco conhecidos, as faculdades não dispunham de fundos para pagar a viagem ou a palestra. Ora, pois menos ainda eu tinha, então não pude ir. Outras dificuldades eu tive, como não poder empenhar tanto tempo aqui devido aos compromissos com trabalho remunerado.

Sem mencionar as tentativas de censura feita por grupos através do Poder Judiciário, como recentemente aconteceu.

É uma surpresa para muitos ver que nós existimos. Um movimento, um grupo, por menor que seja, que defende direitos humanos e civis de homens e meninos. Uma surpresa muito mais importante para aqueles homens que se tornam alvo da misandria do movimento feminista e da ideologia feminista de funcionários estatais.

Quero fazer uma experiência. Tentar tornar o nosso movimento dos direitos dos homens na internet capaz de se manter, em vez de sermos mantidos pelo AVFM no Texas. E fazermos mais diferença do que já fazemos.

Quero saber se os que seguem o nosso trabalho querem tão somente se entreter.

Eu sei que isso devia ter sido feito antes, algo assim devia ter sido feito desde o início. Erro meu. Mas, vamos em frente.

Mostre para nós o quanto você quer nos ver continuar nessa luta. Não só isso, como ser fortalecidos nela. Veremos aonde o nosso público quer que nós cheguemos.

Abaixo está um botão de doação do Paypal. Contribua para este meu trabalho e assegure que ele continue. Você pode fazer uma contribuição única ou uma assinatura mensal. Não estabeleci valor mínimo para nenhuma das opções.

Agradeço antecipadamente pelo seu apoio e fortalecimento!

Um forte abraço,

Aldir.



Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *