Apresentando: O renascimento do AVFM

O A Voice for Men acaba de encerrar sua terceira Conferência Internacional sobre Questões Masculinas (International Conference on Men’s Issues, ICMI) e por todos os relatos, foi mais uma vez um sucesso retumbante. Meus parabéns e sinceros agradecimentos vão a todos os palestrantes, participantes e especialmente à equipe do AVFM que trabalhou incansavelmente para fazer isso acontecer.

Além da sua proposta mais óbvia, cada ICMI é também um tempo de avaliação e reflexão. É uma oportunidade de pensar sobre a nossa missão, como nós estamos indo com nossos objetivos. E para ser honesto, não é preciso uma Conferência para ter algumas conclusões encorajadoras nesse sentido.

“Mudando a Narrativa Cultural”, como um lema do site e como um objetivo, tem tido um profundo sucesso. O AVFM e uma pequena quantidade de outros (principalmente a Honey Badger Brigade) têm inspirado uma legião de comentaristas sociais que estão fazendo exatamente isso. Feminismo está, com justiça, se tornando uma palavra mal-vista. Ideólogos feministas estão entrincheirados tentando defender sua ideologia de ódio para um mundo que está ficando farto da sua mensagem corrupta. Nós temos tido tão bem sucedidos, de fato, que o antifeminismo se tornou uma indústria de fundo de quintal, com novos empreendedores tendo grande audiência.

Parafraseando Alison Tieman nas perguntas e respostas do filme The Red Pill, quando a questão de “antifeminismo como ativismo pelos homens” foi levantada, ela bem disse que “nós nem mesmo temos escolha nisso. A narrativa antifeminista se popularizou e cresceu além do nosso controle. Nós não poderíamos parar isso, mesmo que nós quiséssemos.

Nada disso significa que a batalha acabou. Os interesses feministas estão profundamente impregnados no Estado, nossas instituições de educação superior, no meio político, na mídia e por toda a corporatocracia. A mudança na narrativa, porém, se tornou um trem de carga e se isso segue mudanças prévias na consciência social coletiva, o eventual malfado da influência feminista e sua estigmatização permanente como maligno é inevitável.

Se isso se realizar, nos deixa com a questão: aonde vamos agora?

A resposta tem dois lados. Primeiro, a missão do AVFM. Segundo, o que faremos para realizar essa missão.

As realidades atuais reduzem a “mudança da narrativa cultural” a algo como chover no molhado. Nós estaremos melhor com objetivos mais relevantes. Com isso em mente, eu rascunhei uma nova declaração de missão abordando as necessidades dos homens em termos de saúde física, emocional e financeira, com esta última focada na proteção de bens em relação ao Estado e às relações interpessoais.

Uma olhada rápida no título do site (principal), agora aparece um novo subtítulo. “Saúde Masculina – Sem Concessões” (Men’s Health – No Apologies). É simples, conciso e será perseguido obstinadamente.

Com os milhares de backlinks do AVFM estabelecidos, a assegurar um fluxo saudável e permanente de tráfego par ao site, nós vamos fazer uso desses ativos para passar uma mensagem abordando o bem estar integral dos homens, sem o tradicional ginocentrismo e sem o doentio paradigma dos ideólogos feministas que veem a própria masculinidade como um problema que necessita de correção. De fato, é nosso posicionamento que aquele tradicionalismo ginocêntrico cego e dogma feminista (que mal se discernem um do outro) são igualmente deletérios ao bem-estar dos homens e meninos.

Com algumas exceções específicas, todo o conteúdo futuro no site irá refletir a nova missão. A saúde mental, física e financeira dos homens vai dominar o discurso aqui com um foco especialmente intenso em saúde mental. Eu pretendo inteiramente que o conteúdo continue tão engajado, entretenedor e informativo como sempre foi.

Mais importante, o conteúdo será criado para ser de mais utilidade para os homens e meninos do que apenas o sempre válido contra-ataque a feministas. Ao longo do ano passado, no meu canal de Youtube An Ear for Men, foquei muito nos relacionamentos interpessoais dos homens. Relações, casamento, divórcio e filhos. Ajustar-se à vida “fora da Matrix”, lidar com a raiva da pílula vermelha e o pesar da pílula vermelha. Questões de autorrespeito e autovalor. Assuntos que alcançam o cerne da identidade masculina na vida moderna, apresentadas com a mesma franqueza direta pela qual o AVFM se tornou tão conhecido.

Eu tentei criar uma mensagem que não apenas ressoe aos homens, como o material aqui sempre fez, mas também que se provasse útil. Em resumo, a ideia é servir mais às necessidades dos homens, não apenas convidá-los a sacudir a realidade ao desafiar o status quo. É uma lição dos nossos correligionários na Índia, que fizeram crescer seu movimento baseando-se em serviço a homens que dele necessitam.

E, não haja engano, nós não estamos abandonando os sentimentos antifeministas ou antiginocêntricos. Vocês os verão bem claramente nos dias à frente, todo ele relacionado ao bem-estar em geral dos homens e meninos.

Para informar vocês sobre o segundo objetivo, sobre como nós iremos conseguir isso, eu preciso lhes dar algum histórico. No começo, a se comemorar oito anos mês que vem, o AVFM foi estabelecido como um blog de um homem só. Nós rapidamente crescemos para centenas de escritores ao longo dos anos e eventualmente assumimos a estrutura de um negócio formal, a AVfM Education, LLC.

Nós nos beneficiamos muito disso. Nos proporcionou alguma medida de proteção legal, nos deu uma organização muito melhor e nos ajudou a gerir bens para arcar com o fardo financeiro de manter um nível excelente de segurança e múltiplos servidores.

Tudo isso ajudou enormemente a missão naqueles tempos, mas também veio com um custo. Os pesados processos que vêm com qualquer estrutura de empresa drenou um pouco dos elementos espontâneos e criativos que nos puseram à frente das coisas, para começar. No coração, nós sempre fomos uma organização ativista. Uma checagem de realidade nos informa que corações e negócios nem sempre encontram conforto sob o mesmo teto.

Hoje, começamos a recuperar o coração do AVFM.

Em um futuro muito próprio, a AVfM Education, LLC será desfeita. Todas as operações aqui serão conduzidas sob a gestão de Red Pill Solutions, LLC, um show de um só homem (sim, eu mesmo) com operações altamente informais. Eu deixarei os feijões para os contadores de feijões e basicamente vou conduzir as coisas como eu fazia em 2009.

O AVFM vai voltar para um grupo muito seleto de contribuintes, por convite apenas, que terão permissão para inserir artigos no editor WordPress, com uma autoedição sólida como padrão. Nada de passar artigos por uma série de pessoas para fazê-los chegar ao site. E não haverá mais a necessidade de sobrecarregar editores com a tediosa (e bastante ingrata) tarefa de corrigir ortografia e gramática. Aqueles que não podem, ou não querem, prover material bem editado simplesmente não irão ver seus escritos nestas páginas. Todos os contribuintes devem ser capazes e dispostos a entrar no editor WordPress no AVFM e preparar seus artigos completamente para postagem.

A política de comentários vai mudar, também. A tentação para mim é ir para um estilo geralmente não-moderado, com, claro, a possibilidade de remover e banir trolls imbecis à primeira vista: Nada de sistema, nada de ombudsman. Nós faremos isso, no entanto, com uma revisão de atitude sobre a nossa seção de comentários. Nossa abordagem será algo parecido com moderação laissez faire, permitindo que homens falem à vontade até o ponto em que fique aparente que sua única razão para comentar é interromper e antagonizar.

Isso não será uma transição fácil e o feedback dos nossos leitores é bem-vindo antes da implantação do novo sistema.

Uma coisa não vai mudar. O AVFM nunca, jamais será silenciado. Nós vamos publicar o que nós acreditamos ser verdade, sem meias palavras, e sem concessões.

Estou enviando um link deste post a muitos dos contribuintes do AVFM até agora, esperando que eu não deixe ninguém de fora.

Isso vai ser uma fase um tanto desafiadora, já que nós vamos reduzir tamanho para ganhar mais uma milha na jornada do A Voice for Men. Com o apoio de vocês, nós vamos fazer isso acontecer. Afinal, fazer as coisas acontecerem tem sido nosso negócio por 8 anos.

 


Publicado originalmente em 14/06/2017 no AVFM.
Tradução: Aldir Gracindo.

2 thoughts on “Apresentando: O renascimento do AVFM”

  1. [21]Alex Pato

    Tá parecendo que estão elitizando o AVFM
    O que anda acontecendo por lá, o site parece meio parado, com poucas matérias, to preocupado.

    Sinto que os direitos dos homens tá morrendo, não estamos conseguindo resistir e estamos sendo esmagados pelo feminismo radical, onde tudo de bom pras mulheres e tudo de bom pros homens.

    To começando a ficar preocupado.
    As pessoas hoje em dia estão parecendo não ter mais forças pra falar sobre misandria.

    1. Não acho que o AVFM está se elitizando. Se a intenção do Paul Elam é colocar o foco principal no bem-estar geral dos homens, isso é uma necessidade, mesmo. Conversei com ele e, no que tange a este ramo em português, enquanto não houver outra decisão do AVFM de lá, decisões editoriais estão sob a minha decisão. Nós aqui vamos continuar com postagens antimisandria porque são importantes justamente para o bem-estar dos homens e meninos.

      Não estamos ficando sem forças, estamos passando as mesmas dificuldades há algum tempo, com cada colaborador tendo que dar conta de outras atividades da vida pessoal e profissional.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *